22 setembro 2008

Quando o moralismo é muito, o povo desconfia

Bem sabemos como os autarcas e candidatos a autarcas se mostram preocupadíssimos com a qualidade de vida nas cidades. A esquerda então, sobretudo a mais retinta, adora vir a público mostrar como é preocupada com a cidade e as pessoas. Mas no pano mais imaculado fica mais fácil ver as nódoas. Refiro-me concretamente a um cancro que persiste na cidade de Lisboa e que é a poluição visual causada pelo desleixo posto na colocação de cartazes políticos. Em altura de eleições o problema é particularmente grave, com cartazes e outdoors a crescerem como cogumelos sem qualquer preocupação estética ou de segurança, e em que todos os partidos dão o seu contributo. Fora de eleições, só a tal esquerda, tão pura e moral, é que persiste no erro. A praça de Entrecampos em Lisboa é o exemplo mais claro desta hipocrisia.



Cartazes, com ar meio selvagem e provisório, a impôr-se num local que teria tudo a ganhar se estes fossem retirados.

Se os cartazes publicitários estão sujeitos, e muito bem, a regras de enquadramento paisagístico e arquitectura urbana, porque é que a propaganda política pode fugir a estas regras que, ainda por cima, foram instituídas pelos próprios partidos políticos?

2 Commets:

Blogger alf said...

Inteiramente de acordo. Mas a questão não é só com a propaganda política - as paredes e muros da cidade estão cheios de cartazes colados, alguns anunciando espectáculos que já foram há muito tempo. Isto é pior que os grafiti, com a diferença de que os responsáveis não são anónimos. Então, porque se consente?

6:36 da tarde  
Blogger Tarzan said...

Perfeitamente de acordo. Só acho toleráveis cartazes em tapumes de obra.

11:03 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home