22 setembro 2008

Leitura recomendada do dia

O ataque ao "neo-liberalismo" e o "bacalhau a pataco" de JPP no Abrupto

«Nunca vi o liberalismo, como ideia e como prática, ser dominante, a não ser na imaginação dos seus adversários, muito menos ter o papel de hegemonia intelectual e política que se lhe atribui. [...] O que mexe com o Governo e lhe causa a preocupação quanto ao domínio do "económico" pelo "político" é correr o risco de ter preços altos nos combustíveis num ano eleitoral, em que precisa de ter "bacalhau a pataco". Claro que tudo isto vive de um sofisma, porque o Governo pode efectivamente fazer baixar o preço dos combustíveis diminuindo a carga fiscal que atinge cerca de 50% do seu custo. Seria um erro, mas só mostra a hipocrisia de bramar contra as "gasolineiras", como se não se pudesse fazer qualquer coisa. E, mais ainda, o Estado detém uma parte significativa do capital da GALP (8%) que também poderia ser usado como instrumento de poder. Portanto, esta encenação por razões eleitorais, alimentada pelo retorno do discurso anticapitalista, pode fazer grandes estragos à economia, andar para trás na sua liberalização e deixar um rastro de radicalismo político.»

(link meu)

2 Commets:

Blogger alf said...

Nã, não faz estragos nenhuns, dá é a sensação de que o Estado é capaz de actuar contra os «tubarões» em defesa dos interesses dos «pequeninos». Ou seja, reforça a sensação de segurança das pessoas, e isso é bom para a economia. Nos próximos aumentos, se o Estado não disser nada as pessoas saberão que é porque está tudo bem...

6:39 da tarde  
Blogger Tarzan said...

Ou se calhar os responsáveis pelo incêndio não vão pensar duas vezes antes de voltarem a brincar com fósforos. Está lá sempre o Estado-papá-bombeiro para cuidar das suas asneiras...

11:05 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home