26 setembro 2008

Descobri que sou populista


Pensava que populistas eram os gajos de uma elite que desatavam a distribuir computadores portáteis ao povo ou electrodomésticos ou investiam (a 100%) em jornais regionais.

Fui ver a definição de populista e afinal parece que populista é aquele que apoia o povo em detrimento das elites.

Sou populista.

3 Commets:

Blogger alf said...

Resta saber o que é uma elite.
Creio que li na wiki que é uma invenção dos chineses há muitos muitos anos, e era u conjunto de pessoas que se distinguiam pelo seu saber independentemente da classe social de origem - uma nobreza de sábios.

A generalidade das pessoas pensa exclusivamente no seu interesse pessoal e estás-se completamente nas tintas para os outros. As pessoas que ganham mais de 1000 euros por mês estão-se nas tintas que o ordenado mínimo seja só de 400 e o que as preocupa é que ele possa subir.

Mas o que faz uma sociedade progredir é a atenção ao interesse colectivo - que é sempre em detrimento de algum interesse individual.

Quem gere uma sociedade tem de pensar no interesse colectivo; mas ao faze-lo volta contra si todo o «povo» pois vai mexer nos interesses individuais.

De certa forma, é o caso do actual governo - toda a gente se sente prejudicada pelo Sócrates porque ele prejudicou os seus interesses - ilegítimos é claro, desde as pensões dos administradores do BP às férias dos juizes ou horários dos médicos ou dos professores. Ninguém parece capaz de acusar o Sócrates de ter prejudicado o colectivo do país - sempre e apenas ilegítimos interesses individuais.

E é aqui que nasce uma distinção profunda entre «elites» e «povo»: as elites são aqueles que são capazes de perceber o interesse colectivo e agir em nome dele.

Note-se que uma elite não é um licenciado nem nenhum desses intelectuais que vemos por aí sempre a puxar a brasa À sua sardinha. Não é certamente nenhum dos ex-administradores do Banco de Portugal, que abicharam obscenas pensão autoatribuidas por interposta comissão. Elites são pessoas raras. Dentre os políticos, o Eanes poderia pertencer a uma elite, por exemplo.

Postas as coisas desta maneira, eu sou elitista -preocupa-me os interesses colectivos, preocupa-me que o ordenado mínimo seja de 400 euros.

9:16 da tarde  
Blogger Tarzan said...

Não gosto de elites, porque na sua maioria, a sua sensação de superioridade faz-lhes acreditar que os outros são estúpidos e que eles é que sabem quais as melhores escolhas para eles. Umas vezes têm razão. Na maioria das vezes não.

11:46 da tarde  
Blogger alf said...

pois, mas esses são os que se autoconsideram «elites». Presunção e água benta, cada um toma a que quer. Uma caracteristica de alguém que merece essa designação é saber que as pessoas são seres complexos, cada um tem os seus particulares talentos, cada um tem a sua utilidade, e que, por isso, ninguém pode dizer que é melhor do que outro. Uma elite é alguém humilde. Como o Eanes, por exemplo. Não é um deus na terra.

1:50 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home