19 dezembro 2007

Leitura recomendada

"A linhada REN e a palermice autárquica" no Range-o-Dente.

Destaco o pequeno detalhe de a linha em questão nem sequer passar na freguesia de Monte Abraão. Pode-se daí aferir acerca do grau político (presidente da Junta vs Presidente da Câmara) desta questão. Ver aqui o estudo de impacte ambiental, atentando às páginas 4 e 5.

« José Peralta admitiu que o traçado da linha “sobre passa habitações em cinco locais onde não foi possível evitar” e salientou que “Monte Abraão não é um desses sítios, aliás, a linha nem sequer passa na freguesia”, disse. »

4 Commets:

Blogger alf said...

Para mim, como já disse no blog do RoD, a distribuição de energia tem de se ajustar à distribuição das pessoas e não o contrário. As áreas urbanas crescem? A REN tem de aplicar a toda a área o mesmo critério que é válido para a baixa de Lisboa.

Quem paga? paga sempre o consumidor é claro. Paga os custos mais os lucros da REN que não devem ser pequenos.. pelo menos os da EDP são quase escandalosos...

2:05 da manhã  
Blogger Tarzan said...

As linhas da REN não passam na baixa de Lisboa...

Quanto aos lucros, terá de se queixar do regulador e não das empresas. Os preços cobrados são fixados por este. As empresas limitam-se a gerir custos. Se têm lucros fabulosos é porque gerem bem (espero eu) os custos.

10:20 da manhã  
Blogger alf said...

tarzan

claro que não passam na baixa de lisboa...

eu não me queixo propriamente dos lucros e, quanto ao regulador, imagino que só lentamente se vá libertando da EDP e da REN; o qu eeu quero dizer é que o custo não é argumento, só seria se não houvesse dinheiro em lado nenhum.

2:38 da manhã  
Blogger Range-o-Dente said...

Alf:
"o custo não é argumento"

O custo é sempre argumento até que haja um argumento para que o custo não seja argumento.

Campos electromagnéticos, cancros, radiações, etc, não são argumento, mantendo-se, portanto, o argumento inicial: o custo é argumento.

A razão porque só se usam os ditos pseudo-argumentos prende-se com a dificuldade ideológica em chamar argumentos de estética e psicológicos: pareceria coisa de tias de Cascais.

.

12:01 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home