31 agosto 2006

Obituário

O Jornal de Negócios na sua edição de ontem avançou que o Independente irá publicar a sua última edição na próxima sexta-feira (amanhã). Este Jornal que brilhou durante o final da década de 80 e princípio de 90 quando era liderado por Paulo Portas, começou a cair em lenta agonia vivendo à custa de alguns escândalos seguidos de desmentidos e processos judiciais. A verdade é que o Jornal agora liderado por Inês Serra Lopes registou no último trimestre vendas médias na ordem dos 9.000 exemplares o que o colocava no ranking de vendas ao nível das revistas Caça e Pesca e da Bordados e Ponto Cruz.

Neste momento alguns certamente se congratularão com esta morte à muito aguardada.

Cherry on top

Só mais esta, por favor. Prometo que não falo de mais barragens nem de electricidade durante Setembro.
E lia-se assim no Jornal de Notícias de ontem:
Há uma situação de seca no resto da Península Ibérica? Que se lixe! A malta quer é ir a banhos. Se depois a água nos fizer falta iremos para a rua protestar contra as autoridades competentes que esbanjam os nossos recurso e são incompetentes.
Nota: lembro que quanto mais água houver nas barragens hidroeléctricas, menor será a necessidade de utilizar combustíveis fósseis para produção de electricidade.

O copo meio vazio

«As autoridades espanholas estão, devido à seca, a fechar as "torneiras" às suas barragens no Sul da Península Ibérica e os efeitos já se estão a fazer sentir em Portugal. [...] Certo é que as consequências destes cortes de caudal no Guadiana começam a ser evidentes na albufeira de Alqueva, que actualmente está nos níveis mais baixos dos últimos dois anos. [...] ontem estava nos 61,6%, o valor mais baixo dos últimos anos.»
(in DN)
A má notícia: Espanha está a deixar de libertar água das suas albufeiras, sem qualquer justificação (segundo o jornal), e ao arrepio dos convénios assinados relativos a rios internacionais.
A boa notícia: Imaginem se não tivessemos Alqueva. A nossa seca seria absoluta e a clamidade maior. Nestas épocas o público deveria ganhar consciência das vantagens de aproveitar os recursos naturais e ainda mais, a água sempre tão sujeita aos caprichos da Natureza. Apesar dos impactos negativos das barragens - que existem, de facto - parece-me por demais óbvio que as vantagens superam as desvantagens. Espanha sabe-o e por isso tem um "parque" de barragens que demonstra o valor atribuído ao recurso "água".
Uma nota quanto à peça jornalística: ao longo deste artigo do DN dá a ideia que toda a àgua do Alqueva vem de Espanha. É meia-verdade. Muita da água do Alqueva provem das chuvas que caem no nosso território.

30 agosto 2006

Eu dou-lhes o difícil...

Taxa de mortalidade infantil em Angola "é alarmante" e "difícil de explicar"

(in Público)

É difícil porque a explicação está escondida. Mais concretamente debaixo do solo. E chama-se "MINA"!!

É um bocado como ter um cinzeiro por debaixo do letreiro de "Proibido fumar"

Os ministros da Justiça e da Saúde aprovaram hoje as recomendações de um relatório sobre a prevenção de doenças infecciosas nas prisões, que defende a troca de seringas

(in Público)

Se fosse proibido fumar nas prisões e começassem a haver incêndios por beatas mal apagadas, era o que o governo faria certamente: "Ah, coitadinhos, já não basta não poderem fumar, e ainda por cima não terem onde apagar as beatas!..."

Ahmadinejad desafia Bush para debate na TV

Ao que parece o Sr. Mahmud Ahmadinejad é uma pessoa muito infeliz porque ninguém quer falar com ele, primeiro escreveu umas cartas mas ninguém respondeu e a agora desafia o seu maior inimigo para um duelo televisivo. Enquanto isto para ver se lhe ligam alguma coisa continua a ameaçar o mundo com o seu programa nuclear… "vá lá brinquem comigo!!!"

28 agosto 2006

Gostas mais do pai ou da mãe?

Haverá pergunta mais parva?

26 agosto 2006

Tanta coisa, tanta coisa....

...nunca mais ninguém ouviu falar dos dois cabos-rasos israelitas que foram raptados lá para os lados do Líbano. Há malta mesmo ciosa!...
Já estou a ver a conversa do primeiro ministro Ehud Olmert com os seus generais.
Olmert: Eh pá! Rapaziada, é melhor retirar que já partimos aquela merda toda e os ciganos do Hezbollah não há meio de desaparecerem.
Generais: Ó meu primeiro ministro, aquilo era mais um ou dois dias e ficava mesmo tudo limpo.
Olmert: Pois, pois. Isso foi o que me disseram há um mês e a semana passada. Toca a retirar que já temos os americanos a chatearem-se connosco, que já não conseguem segurar a ONU.
Generais: Ó meu primeiro ministro, então e os soldados raptados?
Olmert: Eh pá! Já me tinha esquecido. Caga nisso! Vocês também já sabem o que é que a casa gasta. Vai na volta, fizeram uma sociedade entre os dois e já criaram um franchising de rokets de médio alcance a retalho.
Generais: Ó meu primeiro ministro, são 5 para as 10.
Olmert: OK! 15 minutos de intervalo. Pitas Shoarma, por minha conta.

25 agosto 2006

Dei quase tudo... para jogar com o Benfica!

Isto há coisas que não se compreendem... O belenenses no final do campeonato de futebol do ano passado desceu para a Liga de Honra. Mas depois, por decisão administrativa, foi re-pescado para a Liga principal em deterimento do Gil Vicente. Este, por se sentir injustiçado pôs a liga em tribunal, e através de uma providência cautelar suspende-a. Agora vem o Leixões dizer que é o verdadeiro e justo pretendente do lugar vago na 1a Liga, por ter sido o 3º classificado da Liga de Honra? Que bela confusão... Isto dava mesmo uma bela telenovela... Já estou mesmo a ver...

Título da novela: Dei quase tudo... para jogar com o Benfica (com um reconhecido cantor nacional a cantar no genérico da novela)

Benfica: (em tom de música) Quem quer jogar com o Benfiquinha que é belo e formosinho?!?!?

Belenenses: Quero eu, Quero eu, meu belo amado!! Agora que a minha malfadada mãe - a Federação Portuguesa de Futebol - me deu a tão desejada benção para poder jogar contigo, não consigo dormir com a ansiedade de estar contigo no campo de futebol.

Mas eis que a meia-irmã maquiavélica da adorável Belenenses, chamada Gil Vicente, que só faz maldades e horrores, tudo devido aos ciúmes que tem do amor entre esta e o Benfica, chega ao pé de ambos e diz:

Gil Vicente: Tu nunca hás-de jogar com o Benfica! Nunca! (Riso maquiavélico) AHAHAHAHAH! Ele vai ser só meu porque vou contar ao paizinho (o Tribunal), e tu sabes que ele nunca vai permitir uma monstruosidade destas!!! E depois, o jogo com o Benfica vai ser só meu!!! AHAHAHAHAH!!! (outro riso maquiavélico).

Belenenses: Oh, não... o que tu vais fazer!!! Não me impeças de jogar com o meu amado Benfica... ele pertence-me!!! (choro descomunal, capaz de fazer uma inundação digna de um Tsunami!!!) Tu só fizeste maldades e um coração assim não merece ser feliz!!!

Finalmente, e como não há duas sem três, eis que a prima esquecida mas não desaparecida, de repente aparece e diz:

Leixões: Sou eu! Sou eu! Eu é que vou jogar com o Benfica! Eu é que tenho direito a isto! Ele é meu!! Tu, Belenenses, tu desceste de divisão, não mereces o Benfica. E tu, Gil Vicente, só fizeste batota durante o último ano! Nenhuma de vocês o merece como eu, depois de todo o esforço que fiz para ficar com o Benfica só para mim!!!

E de repente todos se juntam e choram com a tristeza que se criou... O benfica ficou completamente confuso sem saber quem jogaria com ele... E o mundo perplexo, acompanha mais um triste episódio daquilo que é uma autêntica novela do futebol português...

O que importa mesmo é que, enquanto nos vamos entretendo com isto, vamos esquecendo aquelas coisas que realmente importam, tais como, o défice, o desemprego, o crescimento do PIB, etc... Essas coisas que não dão para fazer novelas...

Enfim, mais um dia perfeitamente normal no quotidiano português...

24 agosto 2006

É com cada coisa que a gente lê...

Leio um artigo na revista Visão de hoje sobre a liberalização do mercado de electricidade. Curioso que depois de a jornalista (Clara Teixeira) ter feito uma análise correcta da origem do défice tarifário se saia com a seguinte tirada:
«Os preços, formados essencialmente no mercado spot espanhol, estão muito acima dos do mercado regulado, salvaguardados do aumento dos custos de produção de energia. É também um sinal de que o Mercado Ibérico da Electricidade (MIBEL) não está a funcionar como devia. Se assim fosse, os preços em mercado aberto estariam a cais, em virtude da maior concorência entre empresas portuguesas e espanholas»
Remete-se depois para a leitura de uma enterior entrevista a Jorge Vasconcelos (Presidente da Entidade Reguladora do Sector Energético-ERSE)
Mercado regulado?!? onde é que a sra jornalista ouviu falar de mercado regulado vs MIBEL?
O que existe, de facto, é o OMEL: mercado spot espanhol de electricidade na qual operam já alguns agentes portugueses.
Não existe um mercado regulado mas sim um sector regulado. E, tal como explicado no artigo, esse sector está sujeito a uma tarifa fixa que foi decidida administrativamente (e que cresceu apenas ao ritmo da inflação) e que não reflecte o aumento dos custos dos combustíveis dos últimos dois anos. O que a jornalista deveria ter concluído é que, a manter-se a situação, o actual sector regulado se irá tornar insustentável, tal como comprovam os preços de electricidade apurados em mercado livre. É o sector que está mal regulado e não o mercado que está a funcionar mal.
Foi pena pois o resto do artigo até está bom.

Mercados em Tensão (2)


O modelo actual gera uma rigidez do lado da procura que não se verifica do lado da oferta. Num determinado ano, o custo de produção varia consoante as oscilações dos preços dos combustíveis e os regimes hídricos enquanto que o preço que vigora para o consumidor é fixo.

Quando se transita para um modelo de mercado verdadeiramente livre, as restrições à entrada de empresas produtoras e distribuidoras são levantadas (as que entrarem têm simplesmente de garantir obediência ao regulamento vigente) e os preços passam a variar consoante as leis da procura e oferta.

No meu entender, têm de ser garantidas duas condições para que uma liberalização seja bem sucedida:

1º - A liberalização tem de ser completa. Não é desejável que se levantem as barreiras à entrada de concorrentes e se mantenha o preço fixo ou que se liberalize o preço mas se mantenham as barreiras à entrada. O regulador tem de deixar de ser participante activo no mercado e passar simplesmente a garantir que os regulamentos sejam cumpridos e que as boas práticas de mercado são cumpridas (um papel semelhante ao da CMVM).

O desastre californiano deveu-se ao facto deste ponto não ter sido respeitado: o parque produtor foi liberalizado mas os preços ao consumidor final mantiveram-se fixos. Resultado: o maior incentivo à poupança de energia (o preço) não funcionou, a procura aumentou (os preços assim o convidavam), os potenciais produtores de energia não tinham incentivo a entrar no mercado, e uma parte dos produtores operantes deixaram de ter incentivo a ligar as suas máquinas (o preço recebido era inferior ao custo marginal), a procura excedeu a oferta e o sistema colapsou.*
À luz de notícias recentes, parece que há muita empresa (produtora e distribuidora) que não está disposta a participar no mercado uma vez que o regime fixo de preços é actualmente muito mais apetecível. Aliás, muitos consumidores do regime não vinculado passaram a ir comprar electricidade ao sistema público!

Por outro lado, a liberalização dos preços sem abertura a concorrentes traria seguramente situações de conluio. O conluio em Portugal tem estado bastante à “solta”, como se pode constatar no caso das gasolineiras, sem que ninguém ainda tenha conseguido provar nada.



2º - A liberalização tem de ser progressiva. Tão mais progressiva quanto o impacto dessa liberalização seja prejudicial aos consumidores ou aos produtores. É necessário dar tempo aos diversos players (detesto este anglicismo!) para se adaptarem a uma nova realidade.

Num ambiente de estabilidade dos combustíveis e do parque produtor (meça-se esta estabilidade em anos), a transição deve ser tão rápida quanto os preços e os regulamentos reflictam a situação de mercado livre. Nestas circunstâncias, ao abrir o mercado, a liberdade de escolha por parte dos clientes e a agressividade tecnológica e comercial encarregar-se-ão de pressionar os preços para o mínimo possível (os preços tenderão a igualar o custo marginal de produção, transporte e distribuição).

Acontece que, no regime actual, quando se dá um choque no sentido da subida dos preços dos combustíveis os consumidores passam a ser “subsidiados”, pagando muito menos pela electricidade do que o custo de produção e transporte. O inverso também pode ser verdade – uma baixa sustentada dos preços dos combustíveis originaria uma penalização dos consumidores.

Se acontecer um destes desequilíbrios (e actualmente é o que acontece) um dos lados irá sofrer com a abertura repentina dos mercados. Na actual situação, e tal como já anunciado em muitos artigos de jornal, a abertura imediata dos mercados conduziria a uma subida do preço para os clientes finais. Segundo as contas de Sérgio Figueiredo, os custos de produção subiram 15% enquanto os preços apenas acompanharam a inflação (2% mais coisa menos coisa). O défice tarifário terá de ser pago mais cedo ou mais tarde e a total liberalização implicaria que teria de ser pago JÁ!

Como a situação de Espanha é bem pior e a ânsia de controlo do governo espanhol não apresenta melhorias, não me parece sério sugerir a implementação do MIBEL de um dia para o outro. Primeiro há que arrumar a casa.




* - Convém explicar esta especificidade dos sistemas eléctricos: até um certo ponto, se houver desequilíbrios entre a procura e a oferta, o sistema não funciona para ninguém! Veja-se o exemplo do apagão de Maio de 2000, em que a rede da zona Sul de Portugal ficou isolada da zona Norte (maldita cegonha!) – como nesse momento apenas a central de Sines estava a operar na zona Sul e esta não tem potência nem flexibilidade para aguentar todo o consumo a Sul do Tejo (na altura também não existiam pontos de interligação com Espanha a Sul do Tejo); o sistema colapsou com as consequências que todos sabemos.

Adeus Plutão, até à vista...


"Adeus Plutão, até à vista" bem podia ser um nome para um romance de ficção científica, mas neste caso nada tem a haver...

Na realidade, o que isto significa é que, o UAI (26.º Congresso da União Astronómica Internacional), concluiu que Plutão já não é um planeta, passando o nosso sistema solar a conter apenas 8 planetas. Ao que parece, além de ser muito pequeno (o que obrigaria a catalogar como planetas, outros objectos de dimensões similares entretanto descobertos), é também muito excêntrico (na sua órbita, é claro).

Por muito que me custe ouvir e ainda pior admiti-lo, a verdade é que fui vincado na versão dos 9 planetas, e para mim é o que é lógico!!! Mas não, no UAI tanto acusaram o pobre planeta que acabou por ser relegado para a 2a divisão dos astros sem iluminação própria (numa pura decisão de secretaria, tal como o Gil Vicente). Não é justo!!! Mas também, quem sou eu para poder julgar tais factos??? De qualquer forma aqui coloco o meu protesto!!!

P.S.: Será que o Marques Mendes, por ser pequenino e "eventualmente" excêntrico também vai deixar de ser um planeta???

(in Correio da Manhã)

23 agosto 2006

Mercados em Tensão (1)


Ainda a propósito da abertura do mercado de electricidade, e pegando no mote dado por Sérgio Figueiredo (referido aqui), apraz-me tecer algumas considerações sobre o assunto.

Os governos de Portugal e Espanha desejam que os sistemas de electricidade passem a ser completamente livre, à semelhança de outros sectores igualmente vitais como por exemplo as telecomunicações. Não vou discutir as diferenças entre privatizar comunicações e electricidade, ficando isso para futuras postas.

O que se passa actualmente é que na Península Ibérica os sistemas eléctricos são semi-livres. Passo a explicar: para alguns clientes (os grandes) já é possível optar pelo fornecedor e negociar preços. Estes, ou vão ao mercado encontrar bons preços ou optam pelo sistema público cujos preços e condições de acesso estão pré-definidas. Pretendem os governos ibéricos que isto possa acontecer com todos os consumidores.

Em primeiro lugar convinha explicar sucintamente o negócio da electricidade no nosso país. Actualmente o sector está definido de forma a existirem, por um lado, os produtores de electricidade em que cada um recorre a diferentes tipos de energia primária e tecnologias para produzir electricidade. Do outro lado estão os distribuidores de electricidade, que se encarregam de vender a electricidade ao consumidor final. No meio, existe a rede de transporte, encarregue da gestão global do sistema de forma a que, em cada segundo, a oferta seja igual à procura – uma espécie de espinha dorsal do sistema.

Acontece que, em Portugal, a maior parte dos produtores e dos distribuidores se inserem no chamado sistema público. Público porque são o governo e a entidade reguladora (ERSE) quem decide a sua composição, as regras de funcionamento e os preços a praticar. Existe depois um sistema não-público (os denominados não-vinculados) em que as autoridades apenas definem as regras de funcionamento (mas não os preços ou composição do sector) e em que tendencialmente quaisquer agentes que desejem entrar podem fazê-lo – quer a comprar, quer a vender energia – desde que cumpram uma série de requisitos.

No sistema público, em termos de operação diária, os produtores obedecem às ordens do gestor global do sistema (que no nosso caso é a REN). A gestão é feita de modo a que o custo de produção seja o mais baixo possível tendo em consideração as restrições técnicas existentes, quer ao nível dos centros produtores, quer ao nível das redes. Os produtores são remunerados em função dos combustíveis que consomem e de uma parcela fixada pelo regulador e que se destina a remunerar o capital investido e cobrir custos fixos. A produção é vendida ao transportador (a REN) que é quem lhes paga.

Do lado dos distribuidores, estes compram a electricidade a um preço “fixo” e vendem a um preço “fixo”. Digo “fixo” porque, na realidade, este está tabelado em função da hora do dia (na compra), do tipo de consumidor a que se destina (na venda). As regras de compra e venda são definidas pelo regulador. A electricidade comprada por estes é paga à REN.

O transportador acaba por servir de “buffer” financeiro entre os distribuidores e os produtores porque o preço “fixo” a que a energia é vendida aos distribuidores não é necessariamente igual ao preço a que ela é comprada aos produtores. No caso de, num determinado ano, volume de vendas ser inferior ao de compras isso dará origem a um défice tarifário que terá de ser somado ao défice/superavit acumulado de anos anteriores. A entidade reguladora, define os diversos preços ao longo de toda a cadeia (desde o produtor até ao consumidor final) tendo a obrigação (pelo menos em teoria) de manter os défice/superavit tarifário acumulado iguais a zero. No caso dos pequenos consumidores esta revisão é anual e no caso dos grandes consumidores, as alterações são semestrais.
...

(continua)

Fenómenos para-anormais

No cyberespaço circulam, ciclicamente, uma série de mitos urbanos e outras mentiras mas que estranhamente persistem. O último caso destes foi o do e-mail que assegura que Marte irá estar tão próximo da Terra a 27 de Agosto, que aparentará ter o mesmo tamanho da Lua. Dado que, na última vez que este tipo de e-mail circulou, nada aconteceu, esperava-se que desta vez o logro não se propagasse. Aconteceu o contrário, "veio" mais forte que da primeira vez e com direito a apresentações de Powerpoint e tudo. Não deve tardar até que venha um desmentido na TV.


Em primeiro lugar, se o fenómeno tivesse lugar a 27 de Agosto, isso significaria que no mês anterior e no mês posterior ao evento, continuariamos a ver Marte com dimensões consideráveis. Assim, na noite de ontem, Marte já deveria ter o tamanho aproximado ao da Lua, algo que tenho a certeza que ninguém observou. É que, salvo eclipses e quedas de meteoros, maior parte dos fenómenos astronómicos dão-se de forma progressiva.

Depois, se alguma vez pudessemos ver Marte do tamanho da Lua, é porque algo estaria a correr muito mal. O equilíbrio Terra Lua seria profundamente alterado e a interacção de um terceiro planeta traria consequências catastróficas para a Terra. Daria um belo exercício de ficção científica.

A origem da confusão deverá ter estado no facto de alguém ter lido que Marte iria ter uma magnitude igual ou superior à da Lua (devido à máxima proximidade do planeta). Ora, em termos astronómicos, magnitude não quer dizer tamanho mas brilho. Mas Marte ficará sempre muito pequeno no céu pelo que (tal como Vénus) não parecerá maior nem mais luminoso que a Lua. Desta confusão deve ter nascido um equívoco que alguém depois decidiu amplificar e até dar-se ao trabalho de fazer powerpoints.


Os fenómenos astronómicos de 2006 podem ser consultados no site do Observatório Astronómico de Lisboa, aqui e depois clicando em "Calendário e Fenómenos Astronómicos" ou "Visibilidade dos Planetas em 2006". Poder-se-á verificar que nada de especial está previsto para Marte este ano.

22 agosto 2006

Mercado de Santa Engrácia


Leitura imperdível de "Tudo a postos, nada em ordem" de Sérgio Figueiredo no Jornal de Negócios. Sobre o sempre adiado MIBEL e a liberalização do mercado de elctricidade em Portugal. Uma excelente análise, na minha opinião.

20 agosto 2006

Sentimo-nos velhos quando...

... alguém pergunta,à mesa, quem é o mais novo do grupo e em vez de se responder "Sou eu!" se responde "É o meu!"*



* (fillho, entenda-se).

18 agosto 2006

Estatuto interplanetário

Astrónomos reúnem-se em Praga para decidir estatuto de Plutão
(in Público)

Eu dava-lhe o estatuto de Região Autónoma.



E oferecia a Madeira a Espanha. Mas ficava com Porto Santo.

Acefalia de plano terrorista foi comprovada

17 agosto 2006

Fã incondicional

TOOL IS COOL!



«Hooker with a Penis

I met a boy wearing Vans, 501s, and a dope beastie-tee, nipple rings, and new tattoos that claimed that he was OGT, from '92, the first EP. And in between sips of coke he told me that he thought we were sellin' out, layin' down, suckin' up to the man. Well now I've got some advice for you, little buddy. Before you point the finger you should know that I'm the man, and if I'm the man, then you're the man, and he's the man as well so you can point that fuckin' finger up your ass.»

(retirado do álbum "AENIMA")

Para tudo há limites

Há duas coisas com que o Ricardo Araújo Pereira não brinca/goza/escarnece (parece impossível mas não é): o Benfica e o PCP.

Mas são só mesmo essas duas.
Mai nada!
E ai de quem se meta!
Aleija-se à séria!
Que o moço melindra-se. E os seus também.

Um mastim para a mesa do fundo, ó faxavor!

Depois do Abrupto, parece que o Aspirina B também foi sabotado. Aquilo tá muita esquisito. Terá sido vingança?

Dicotomias


Oiço na rádio um relato histórico acerca de compositores de música. A páginas tantas diz-se uma das dicotomias mais típicas nos media e na opinião pública. Uma das personagens (Hector Berlioz) era considerado “de direita” e portanto “reaccionário” enquanto outros (como, por exemplo, Beethoven) era de “esquerda” e portanto “progressista”.

Se em política é normal o rótulo, muitas vezes redutor, de esquerda/direita que, em si, não tem nada de pejorativo ou qualificativo, já o rótulo “reaccionário” vs. “progressista” é tudo o contrário. Vejamos. Se “esquerda”=”progressista” então um gajo de esquerda é um tipo “práfrentex” que é “favorável ao progresso”1 e ao desenvolvimento – um gajo fixe. Por outro lado, se “direita”=”reaccionário” então um tipo de direita é um gajo conservador e “contrário à liberdade”2 – um gajo bera.

Esta dicotomia é não só redutora e falaciosa mas, segundo constato, bastante comum nos meios de comunicação e nas conversas de café. Redutor porque extrema as convicções dos rotulados como se o mundo fosse a preto e branco. Falacioso porque a evidência histórica e actual demonstra que existe uma enorme quantidade de exemplos em que “esquerda”=”reaccionário” e “direita”=”progressista”. Vejam-se os exemplos dos regimes comunistas que na maioria (senão todos) os casos são regimes totalitários e “contrários à liberdade”. Como é óbvio, Salazar ou Pinochet serão um dos muitos exemplos de ditadores ligados à “direita”. Como me parece óbvio, não há uma correlação entre o autoritarismo e o facto de ser direita ou esquerda. São questões independentes. A ideologia (de esquerda ou direita) é apenas a massa lubrificante dos ditadores que, no fundo, se estão borrifando para esta. É acenando com fantasmas que estes conseguem o poder absoluto com o apoio das massas.

Mesmo sem cair nestes exemplos extremos, e que me levariam a consumir uns milhares de bits deste blogue, encontramos na sociedade ocidental actual exemplos de como esta dicotomia é errada. Senão vejamos: um reaccionário é aquele que “reage” contra toda e qualquer mudança. Na acepção “portuguesa contemporânea” da palavra, o reaccionário era aquele que estava contra a revolução do 25 de Abril e que reagia perante esta mudança. Como a revolução nos trouxe a liberdade, o reaccionário (segundo a lógica aristotélica) é inimiga da liberdade. Simples, não? Como resultado, perdeu-se a verdadeira acepção da palavra reaccionário. O que se constata, do meu ponto de vista, é que na sociedade actual, as forças de esquerda mais radicais são as mais conservadoras e avessas à mudança enquanto que as correntes liberais (mais associadas pelos primeiros à “direita”) são as que, no plano das ideias, defendem o progresso e a liberdade de escolha. O discurso de esquerda típico nos nossos jornais e noticiários é contra a globalização, a liberalização da economia (são mais a favor da liberalização dos costumes), contra as tão necessárias reformas na máquina estatal, olham a iniciativa privada com desprezo e defendem um estado centralizador. Querem mais anti-liberdade e mais conservador? Não há reforma do ensino, saúde, lei laboral que por mais óbvia, justa e necessária que não traga para a rua uma manifestação de um sindicato ideologicamente comprometido e devidamente amplificado por noticiários. Haverá maior aversão à mudança? Não há reunião de países industrializados que não redunde em violência nas ruas contra a globalização. Querem mais anti-progresso?

Por isso desconfio de todo o discurso maniqueísta e rotulante, venha ele de onde vier – do sr. Bush com o seu eixo do mal ou de Mahmoud Ahmadinejad e a sua a ameaça sionista.




1 - Dicionário da língua portuguesa on-line da Priberam
2 - idem

14 agosto 2006

O.N.U. Para que serve?

(?)


Não me considero um especialista na matéria mas, pelo pouco que sei da História contemporânea, sou da opinião que as Nações Unidas não são a instituição que era suposto serem em matéria de ordem internacional. Segundo li no wikipedia, esta foi criada com o objectivo de incentivar a cooperação internacional ao nível do “direito internacional, segurança internacional, desenvolvimento económico e justiça social”. No que toca ao direito e segurança internacional parece-me que o peso das Nações Unidas é puramente simbólico e raramente efectivo. Lembro-me da Guerra do Golfo em que, se estivéssemos à espera que Saddam obedecesse aos ultimatos da O.N.U. bem podíamos estar à espera; lembro-me da guerra da Jugoslávia em que foram assinados centenas de cessar-fogo sem que nenhuma das partes o tivesse feito nem a O.N.U. conseguiu manter a paz e evitar massacres (apesar de lá existirem forças militares suas). Não fosse a iniciativa da NATO, creio que ainda hoje a Europa e a O.N.U estariam em reuniões para chegar a um consenso de resolução do conflito. No Médio Oriente, inúmeras resoluções do Conselho de Segurança têm sido emanadas sem que ninguém (Israel ou os seus vizinhos), na maioria dos casos, lhes ligue nenhuma. Basicamente tem havido sucessos quando as partes estão de acordo com a solução proposta. Quando isso não acontece, a O.N.U. não parece ter autoridade para impor as suas resoluções.

Do pouco que sei, parece-me que a O.N.U. é mais um palco político (e burocrático) em que os seus membros estão mais interessados em fazer política do que em resolver conflitos internacionais. O direito de veto confere a alguns países o direito de se oporem por razões meramente políticas.

Causa-me, por isso, espanto que nos noticiários se dê tanta importância ao que a ONU delibera ou deixa de deliberar. Será certamente pelo seu peso político. Mas nunca pelo seu peso efectivo. Também me espanta que não seja assunto de debate internacional questionar se vale a pena manter a O.N.U. tal e como ela é. A complacência para com a sua ineficácia por parte dos media é algo que ainda não compreendi…

11 agosto 2006

E para ajuntar ao leite da Mónica...


Starbucks prepara-se para entrar em Portugal, segundo o Negócios.pt, a famosa e Norte-Americana tentadora cadeia de cafés (ou restauração como lhe queiram chamar) vai, finalmente, entrar no nosso País!
Já não era sem tempo, ai os maravilhosos cafés deles, com 1001 sabores e variedades... ai a tentação!
Assim escuso de andar a procurar um pouco pela Europa por uma Starbucks... e provem num dia mais frio o Caffè Mocha... é uma delícia!

Incoerências

Leitura recomendada: You too? no Idéias Livres.

Interessante como alguns "altruístas" defensores de uma nova ordem internacional caem no ridículo. "A crise que a paguem os ri... os outros!"

Comer ou não comer


O hábito de não comer produtos de origem animal (vulgo vegetarianismo) tem uma história interessante que remonta à antiguidade, na Índia. Respeito quem toma essa opção gastronómica e aprecio bastante um bom prato vegetariano, mas não partilho desse “fundamentalismo”. Em geral, os defensores do vegetarianismo fazem-no para evitar o sofrimento ou morte de um animal, valor que respeito mas não partilho até esse ponto. Só que há estudos que revelam que as plantas também sofrem e existem até movimentos de defesa dos seus direitos e até de espécies em concreto. E eu pergunto: e se estes estudos e movimentos começarem a ser geralmente aceites? O que é que os vegetarianos farão para evitar o sofrimento de seres vivos?

Eu antevejo uma nova categoria de regime alimentar: a necrofagia ou, para não tornar a palavra muito técnica, o “abutrismo”. Já me estou a ver a entrar numa charcutaria com montes de artigos com certificado ISO 9000 0000 000 100 a dizer “Este artigo provém de um animal que morreu de morte natural não tendo esta sido induzida pela acção humana” ou “esta planta morreu naturalmente e foi arrancada de forma a que as térmitas não a desfigurassem”. Tudo com fotografias fofinhas de cenouras com balõezinhos a dizerem “Agora que esta larva me mandou desta para melhor e sem qualquer intervenção humana, podes comer-me que eu não me melindro”. Vai ser tão giro! Vai-me lembrar a Diagon-Alley.


Leitura recomendada: The great fallacies of vegetarianism

10 agosto 2006

Por falar em leite

Leite português vai dominar Península Ibérica
(in Diário Económico)

É pena! Até porque há marcas italianas bem interessantes e com forte potencial de penetração.



P.S.: Dois posts sobre leite numa semana. hmmm.... Vou marcar consulta para amanhã.

P.S.2: Para quem não chegou lá, a senhora da foto é a Mónica Bellucci

09 agosto 2006

Retratos do Capital em Lisboa, Portugal

Na senda da rubrica do Abrupto dedicada ao Trabalho, a Caldeirada de Neutrões orgulha-se de apresentar os "Retratos do Capital".

Hoje temos um par de fotos tiradas na biblioteca do ISEG, em Lisboa, Portugal, Europa, Planeta Terra, Sistema Solar, Via Láctea.


(O Capital de Karl Marx - três estantes bem recheadinhas)



(A Riqueza das Nações de Adam Smith - pois...)


Português conquista medalha de ouro




Os portugueses são os máiores! Malta que corre... Por acaso este acho que era o vizinho da minha tia Cacilda lá em Serzedos de Alcoentre. Plantava alfaces e fazia um vinho novo tão bom! Simpático, o moço. Mas tinha uma pronúncia muito fechada e eu, na minha ingenuidade de criança, limitava-me a responder com um sorriso ou acenando quando me dirigia a palavra no quintal. Sempre teve muito jeito para a corrida. Era vê-lo correr atrás das lagartas da couve e apanhar caracóis para as petiscadas das tardes de Junho. Nunca me consigo lembrar do nome do moço. A minha tia Cacilda bem mo repetia mas ela também tem uma pronúncia lixada.

08 agosto 2006

Luís Figo regressa a Alvalade

Ainda tive uma pequena ilusão, mas... "Luís Figo regressa a Alvalade no próximo dia 21 deste mês, por ocasião da visita do Inter de Milão a Lisboa, para defrontar o Sporting num jogo de carácter particular."

Enquanto há vida, há esperança.

(in "A Bola")

Petróleo chega a 250 dólares no pior cenário possível



Agora é andar a butes ou de burro TDI... e não acelerem as alternativas não...

(in DN)

07 agosto 2006

As vantagens de viver no Ocidente

As campanhas de manipulação\propaganda\etc podem ser denunciadas e em tempo útil.
O mais recente caso foi o da manipulação de uma fotografia, veiculada pela Reuters, de Beirute após um bombardeamento. A agência noticiosa anunciou entretanto que não irá publicar mais fotos do colaborador (Adnan Hajj) que forneceu esta imagem.
Infelizmente, há outro caso de suspeita de conluio entre jornalistas e militantes do Hezbollah (via Blasfémias). Esperam-se mais desenvolvimentos na guerra da informação.
Estes casos suscitam uma questão que resulta da liberdade de informação no mundo ocidental. Quando a informação é fortemente controlada por um Estado ou instituição isso é geralmente conhecido do público. Por isso, quem recebe essa informação sabe que ela é total ou parcialmente distorcida de forma a "favorecer" a imagem do Estado e "desfavorecer" os seus adversários políticos, ideológicos, militares, etc...
Numa situação de liberdade de imprensa em que, à partida, os órgãos de informação são independentes do Estado ou qualquer instiutição, o público desenvolve a convicção que as imagens , fotos e informação que recebe são fidedignas. Por isso, não filtra a informação como no caso acima referido. Por isso, o público fica mais vulnerável à desonestidade de um qualquer orgão de informação que, consciente ou inconsientemente, se põe ao serviço de uma determinada organização ou partido.
Mais uma vez tenho de se tecer um louvor à blogoesfera que conta com bons autores, conhecedores das mais variadas matérias e que não perdem nenhuma oportunidade de desmontar informação distorcida que surja nos grandes meios de comunicação e que dão pistas para que um público mais alargado possa estar mais atento ao que lhe "vendem".
Digam lá que isto de viver no Ocidente do século XXI não tem as suas vantagens...

E nos adultos também!

04 agosto 2006

Eh pá! Inda õteim cumeçámos

Esta é a sem-tésima deste blogue.

Top Nacional de Vendas

Mas o que é isto?!?!?!?!?

Top 10:
1º - «Floribella» - Flor
2º - «Eu Aqui» - FF
3º - «Original» - D`Zrt
4º - «Mi Sangre» - Juanes
5º - «Mickael» - Mickael Carreira
6º - «Baladas da Minha Vida» - José Cid
7º - «The Very Best of Russel Watson» - Russel Watson
8º - «Ao Vivo no Coliseu» - Tony Carreira
9º - «A História Toda» - Luís Represas
10º - «ContinuAcção - O Melhor dos GNR vol. 3» - GNR

Sem comentários...

Afinal o editor do Público foi só ao dentista

Um gajo com uma piada tão fixe aqui... Tinham de ir logo corrigir a asneira. Não há respeito por quem faz humor neste blogue.

O país a prazo

A ler: "O Embustex" por Sérgio Figueiredo. Sobre os fardos que teremos de suportar nas próximas gerações.

O editor do Público está de férias

Eu sei que isto de organizar cimeiras está cada vez mais complicado - marcar aviões, abrir corredores de segurança, proteger as ruas dos arruaç... manifestantes - mas estudos de impactos ambiental não será demais?

03 agosto 2006

Alguém se importa de explicar?

Emprego no comércio a retalho com ligeira aceleração em Junho

Portugal é país com maior queda nas vendas a retalho em Junho face a 2005

Se põem a malta toda a trabalhar atrás do balcão, como é que querem que tenham tempo para ir às compras?
Economia é uma ciência muita bonita, pá!

China já consegue controlar o excesso de população

Chuva ácida cai em mais de metade das cidades chinesas

A China "capitalista" conseguiu o que 50 anos de comunismo puro e duro não conseguiram: crescimento económico e controlo demográfico. Os prodígios que uma sociedade industrial consegue...

Autoridade da Concorrência volta a dar brilharete

«Ora bem... Fundindo duas das três operadoras... passamos a ter duas grandes operadoras, o que pelas minhas contas.... hmmm.... Ah! Mais concorrência!!»

Há petróleo no Beato?

Ao que parece vai mesmo avançar a prospecção de petróleo ao largo de Peniche e da costa alentejana. O nosso PM vai adjudicar o processo de prospecção, por um período de três anos, directamente a um consórcio constituído pela Galp Energia e pela Petrobrás.

A Caldeirada está em condições em avançar que caso seja descoberto petróleo ao largo da costa portuguesa, o problema do défice será resolvido e que Portugal vai tornar-se num país rico e próspero. Assim sendo as primeiras medidas do Governo vai ser a construção de um Aeroporto internacional em todas as capitais de distrito e a construção de uma rede de estádios de futebol para 30.000 pessoas no mínimo em todas as sedes de Concelho, conduzindo assim para a salvação da nossa mui nobre e amada Pátria Lusa.

É caso para dizer…tanto mar também tinha que servir para alguma coisa, deixar aquilo tudo entregue aos peixinhos é que não!

02 agosto 2006

Notícia com quase um mês de atraso

O pombo-correio teve dificuldades de orientação.
A Caldeirada soube que Kim Jong Il ficou muito abalado pela notícia - recebida anteontem em Pyongyang através de sinais de fumo - uma vez que se prevê que a criação de lagostim no lago do seu palácio de férias sofra uma grave quebra.

E viva a canção de intervenção

Já que estamos numa de saudosismo, segue uma homenagem... mais ao estilo "Caldeirada de Neutrões".


Balada do Badalo

Canta! ó meu trovador de terras do Vizir
Canta as trovas com esféricos vocábulos
Que a tua prosa muita gente amofina
De tão indizível quanto incompreensível

Animas a malta do Pragal até à Lapa
Terras de irmandade e incêndios de Verão
Com poesia que diz desdizendo
As agruras da vida de estudante

O "soldadinho" educa a populaça
Do alto da sua barcaça
Não há quem lhe vire o leme
A sua mão firme não treme
(Olha!!! esta rimou!)

Nas deprimidas terras do Sul
Onde a Catarina bateu as botas
Soas os acordes de além mar
E as vozes do outro lado dos montes

Com papões cavernosos
As crianças nos assustaste
Vejam bem que atrevimento
De quem nos deu verde milho

Cobrir a canalha na mortalha
E fumá-la com palha
Cortada com a foice que vinga
Com mais cinco danados para a pinga
(Olha!!! Outra que rimou!)

Ah! e quase me esquecia
Não há trova que Maio não cantes
E manhã de Abril que não escorra da tua pena
Abril inspirado no ido Outubro

O que é certo e sabido
é que sem ti estariamos mais pobres
Serias génio no outro lado da luta
Cantarias contra outros filhos da... mãe.

Efeméride

Há precisamente 77 anos, nascia José Manuel Cerqueira Afonso dos Santos, mais conhecido por Zeca Afonso. Acho que é oportuno lembrar este que foi um dos mais geniais compositores portugueses do século XX e de sempre. Ele que nada percebia de teoria de musical e apenas tocava guitarra clássica de forma sofrível. Zeca Afonso tornou-se o ícone musical da revolução dos cravos continuando o seu activismo político que anteriormente era dedicado ao combate do regime ditatorial. A sua genialidade sobressai mesmo para quem, como eu, não partilha das suas convicções políticas e ideológicas, tão impregnadas nas letras das canções.
A sua obra combina o popular com o erudito de uma forma única e admirável. Muitas das suas canções têm o dom de nos pôr a trautear melodias simples mas, ao mesmo tempo, interessantes. Também cabe reconhecer quem o acompanhou nos arranjos das suas canções e que lhes emprestou uma nova dimensão: José Mário Branco, Fausto, Júlio Pereira, entre outros. A sua influência foi muito forte, principalmente depois do 25 de Abril e ainda hoje músicos, como os Madredeus, lhe prestam homenagem e lhe seguem o exemplo na combinação de raízes populares e eruditas.

Exemplo para os nossos presidentes de clubes de bola

Candidato a técnico do "Boro com currículum" do "Footbal Manager", pois é, se fosse por cá ainda o metiam em tribunal, mas no mínimo não tinham a coraem de lhe responder de uma maneira delicada e engraçada... ou ia treinar um clube, desde que o empresário fosse o certo...

(Via Megafone)

01 agosto 2006

And the winner is...

Novo aeroporto da Ota vai ficar mais caro

Contem-me novidades!

Segundo a comissão técnica encarregue da definição do modelo de transacção do futuro(?) aeroporto da Ota, o valor inicialmente previsto para a construção do novo aeroporto, cerca de 3 mil milhões de euros, está subestimada, ora bem, contem-me novidades, já que é prática corrente todas as obras públicas derraparem em termos orçamentais, desde a colocação de um simples prego até à construção de pontes... parece que está instituída uma liberalização nos preços, tipo: "Isto vai custar 3 mil milhões, mas se custar 6 milhões, mais uns ficam a ganhar e quem paga é o estado...". Parece que os derrapanços orçamentais são uma coisa... normal? Meus caros isto terá de acabar, existe uma frase extremamente empolada pelo actual governo que tem de ser interiorizada e tem de passar a ser escrupulosamente cumprida "RIGOR ORÇAMENTAL", o estado (todos nós) não podemos continuar a financiar as grandes empresas de obras públicas e uns quantos cabecilhas, e quem controla e derrapa tem de ser chamado à justiça, ah mas também isso não funciona por cá, não é Srs. Juízes?

PS - Por falar em Justiça, para quando um concurso publico para a prestação de serviços de advcacia neste País, até parace que só sendo ex-político ou amigo deles é que se pode trabalhar para o Estado, e quanto dinheiro não se pouparia, e quantas leis não podiam ser feitas sem tantos nós e contra-nós, que atrasam todos os processos judiciais tendo em vista o prolongar do tempo de resolução dos casos em justiça, para benefício de uma classe...

Fonte (Dinheiro Digital)